RPet Saiba se a proibição de american bully XL afetará cães 'parecidos' com a raça no Reino Unido

Saiba se a proibição de american bully XL afetará cães 'parecidos' com a raça no Reino Unido

Tutores estão preocupados com cachorros que têm as mesmas características, já que a avaliação será feita por agentes da lei

  • RPet | Do R7

American bully XL será proibido na Inglaterra e no País de Gales

American bully XL será proibido na Inglaterra e no País de Gales

Reprodução/Divulgação/gov.uk

A decisão do Reino Unido de proibir os cães da raça american bully XL na Inglaterra e no País de Gales, a partir do próximo ano, está causando polêmica. A medida, confirmada na última terça-feira (28), acontece depois de alguns casos de ataques que envolveram esses animais. Segundo o site oficial do governo britânico, a lei será implementada gradualmente ao longo de vários meses, mas a partir de 31 de dezembro de 2023 será ilegal realojar, vender, comprar ou transferir um cachorro desse tipo para outro tutor.

Nas redes sociais, as pessoas, preocupadas, estão questionando como será feita a identificação de um american bully XL, já que raças como staffordshire bull terrier, cane corso, bulmastife e dogue canário se enquadram no tipo bully, e também podem estar ameaçadas com a nova legislação.

De acordo com o site britânico Full Fact, a avaliação sobre se um cachorro está sujeito à proibição será baseada na aparência e nas características físicas definidas pelo Departamento de Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais (Defra), e não na raça declarada no momento da adoção ou nos resultados de DNA. Por isso, uma coligação de instituições de caridade, incluindo a Sociedade Real para a Prevenção da Crueldade contra os Animais (RSPCA), a Blue Cross e a Dogs' Trust, advertiu que o julgamento dos cães sujeitos à proibição é "extremamente subjetivo e aberto à interpretação".

Isso porque cães que podem compartilhar algumas características do american bully XL, mas são claramente identificáveis ​​como outra raça estabelecida, não serão afetados, porém outros que são uma mistura de bullies poderão ser.

Vale lembrar que quatro tipos de cães já estão proibidos no Reino Unido — o pit bull terrier, o tosa inu, o dogo argentino e o fila brasileiro.

Afinal, como os cães da raça american bully XL serão identificados?

Cão da raça staffordshire bull terrier pode ser confundido com um american bully XL

Cão da raça staffordshire bull terrier pode ser confundido com um american bully XL

Freepik

O site oficial do governo britânico diz que se um cão cumprir as medidas mínimas de altura — que vão de 51 cm na cernelha (o ponto mais alto do corpo de um cão, além da cabeça e do pescoço) nos machos e 48 cm nas fêmeas — e tiver várias outras características do american bully XL — como porte grande, corpo musculoso e cabeça 'blocada' — "poderá" ser considerado um animal da raça.

"Se o seu cão atende às medidas mínimas de altura e a um número substancial de características da definição oficial, ele pode ser considerado um tipo de raça american bully XL. Mesmo se não foi adotado como um american bully XL", informa o Defra ao Full Fact.

A lista completa de características que compõem o padrão de confirmação física para a raça foi desenvolvida pelo Defra em consulta com o grupo de trabalho de cães perigosos do Conselho Nacional de Chefes de Polícia (NPCC), autoridades locais e cirurgiões veterinários.

“Cães de raças cruzadas, que não são claramente identificáveis ​​como outra raça reconhecida e que parecem ser do tipo american bully XL, provavelmente, estarão dentro do escopo da designação/proibição. O DNA não é — e nunca foi — aceito pelos tribunais como um identificador de tipo de raça", informou um porta-voz do NPCC ao Full Fact. 

A raça american bully XL é perigosa?

Ao RPet, especialistas explicam que esses cachorros não são um risco, mas atentam para a necessidade de liderança e atividade física que precisam manter. Livia Romeiro, veterinária especializada em linha de cuidado, diz que o american bully XL tem uma personalidade sociável e tranquila.

"Ele é muito gente boa com cachorros e pessoas. Dificilmente tem uma conduta agressiva. As características de comportamento dele não têm nada de agressividade, tanto é que ele está incluso no grupo de cães de companhia."

Já o comportamentalista e adestrador animal Fernando Lopes vai em outra direção e afirma que esses bichos necessitam de pulso firme. "São pets que precisam ser treinados e adestrados desde os primeiros meses de vida", ensina.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Ele afirma ainda que esses animais têm "instinto guardião" e que é preciso analisar caso a caso. Além disso, os tutores devem se atentar a alguns cuidados. "É necessário estudar muito para ter um cão dessa raça. Eles têm de ser castrados e também seguir as normas de segurança existentes para a raça, como usar uma guia curta e focinheira, principalmente quando for andar em parques. Houve uma época, inclusive, em que eles eram chamados de pit monster", detalha.

VEJA TAMBÉM: Concurso elege o Cão do Ano de Westminster, em Londres

Últimas